Fausto Azevedo – 26/1/1918

 

Uma particularidade dificultou a pesquisa biográfica sobre Fausto Azevedo. Havia pelo menos meia dúzia de homônimos de Fausto Azevedo na época: um promotor, um delegado, dois advogados, um deles em São Paulo, e pessoas em Itararé e Avaré; isso dificultou bastante a pesquisa na hemeroteca digital. Mas foi possível afastar sem sombra de dúvida os dados relativos aos homônimos.

Fausto Azevedo era filho de Urbano de Azevedo, que foi vereador em Amparo no final do Império e, mais tarde, no começo do século XX, vereador em São Paulo, e de D. Sofia Soares de Azevedo. Urbano de Azevedo era de família campineira, irmão do engenheiro Ramos de Azevedo e cunhado do Dr. Pádua Sales.  Fausto era irmão de Urbano de Azevedo Júnior, de Oswaldo de Azevedo, e de João, Dolores e Sofia de Azevedo.

Foi casado com Josefina Soares de Azevedo, pais da professora D. Aparecida Azevedo Arruda, que foi casada com Arthur Mauro de Arruda, também vereador em Amparo, de D. Maria Azevedo e do Dr. Pedro de Azevedo, eminente cientista, especializado em ictiologia (28). Fausto Azevedo foi avô de D. Dagmar Arruda Campos, esposa de José Carlos de Camargo Campos, presidente da Câmara de Amparo nas décadas de 1950 e 1960.

Agricultor, como a esmagadora maioria dos políticos amparenses de sua época, filho de um político e bem-sucedido homem de negócios, Fausto Azevedo não ficaria muito tempo fora do sistema dominante(1). Tornou-se oficial da Guarda Nacional, instituição na qual chegaria a coronel, o que constituía um passo necessário para entrar na política. Em 1902 foi empossado como vereador para substituir o Dr. Coriolano Burgos que renunciara em novembro do ano anterior(2). Vivia-se um momento crucial nas hostes republicanas de Amparo. Era manifesta a insatisfação de um grande grupo liderado por João Belarmino, Pedro Penteado e Pedro Pastana contra o comando do senador Luís Leite. Logo as duas facções passariam à luta aberta.

A nova câmara era dirigida pelo Dr. José Leite de Arruda, genro e sobrinho do senador Luís Leite, mas o seu comportamento sinuoso e indeciso levou-o a um choque frontal com o sogro. A desapropriação das nascentes da Fazenda Palmeiras resultou numa demanda entre a Câmara e senador, cindindo também o “leitismo”. É claro que o grupo “pedrista” se beneficiou disso e após dois anos de intensas polêmicas pela imprensa e debates no plenário, o grupo fiel ao senador foi forçado a renunciar, exatamente quando o Dr. Arruda e o sogro se reconciliavam. Fausto Azevedo também renunciou(4). A Câmara ficou nas mãos dos “pedristas”, que, a seguir ganharam facilmente as eleições para o preeenchimento das vagas. Fausto Azevedo voltou à Câmara para preencher, paradoxalmente, uma das vagas que ele próprio abrira com sua renúncia(5).

Em 1907, ainda integrando o partido “pedrista”, Fausto Azevedo se reelegeu no segundo turno(6). Em janeiro de 1909 Fausto Azevedo é eleito vice-presidente da Câmara e também faz parte da Comissão de Fazenda(7).

Além de político e agricultor, Fausto Azevedo participava ativamente da vida social da cidade, desempenhando papel importante na comunidade(13). Serviu várias vezes no Júri(8)(10); foi membro da diretoria do Tiro 104 de Amparo; foi generoso nas suas contribuições e doações(18). Adquiriu prestígio popular, de tal forma, que foi votado mesmo quando não era candidato(9). Isso não o impedia de, como era moda na época, passar tamporadas com a família em “estações de águas”(17).

Em 1/11/1916 Fausto Azevedo foi eleito vereador no 1º turno com 127 votos(11). Empossado em 17/1/1917, foi no mesmo dia eleito vice-prefeito de Amparo(12 e 14). Assumiu interinamente a Prefeitura em janeiro de 1918, substituindo o titular(16).

Surpreendentemente, em janeiro de 1920, não consegue se reeleger vereador, ficando como suplente(19). Aproveita a folga na política para se envolver nas reinvindicações de classe. Em 21/6/1921 o Coronel Fausto Azevedo é membro da diretoria da Liga Agrícola de Amparo, integrada também pelo coronel Pedro Penteado, major Antônio Carlos de Moraes Bueno, coronel Afonso Celso de Toledo Franco, Manuel Aleixo Alves, Dr. Virgílio de Araújo, coronel Napoleão Poeta de Siqueira, Dr. Vasco de Toledo e Alonso Dantas Pereira(20).

Em agosto de 1922 perde o pai, Urbano de Azevedo, que há muito tempo se mudara para São Paulo. Urbano Azevedo fora vereador em Amparo no final do Império, e vereador em São Paulo no começo do século XX. Em São Paulo Urbano tornou-se grande comerciante e diretor de companhias de seguro(21).

A derrota eleitoral de 1920 parece ter desencantado Fausto Azevedo do P.R.P. Em 1928 ele adere ao Partido Democrático, junto com vários outros políticos importantes de Amparo(22). Nesse mesmo ano faleceu D. Sofia Soares de Azevedo, viúva do Coronel Urbano de Azevedo, mãe do Coronel Fausto Azevedo. Era irmã da D. Isolina Soares de Sousa, esposa do Dr. Antônio de Pádua Sales, senador estadual e membro da Comissão Diretora do Partido Republicano.(23)

A ruptura com o partido dominante não o afastou dos encargos comunitários. Em 1929, por ocasião do Centenário da Cidade de Amparo, foi nomeado para a Comissão de bailes, em cuja composição entravam também o Dr. Virgílio de Araújo, Carlos Alves de Godoy e Arthur Mauro de Arruda (este, aliás, genro de Fausto Azevedo)(24).

Depois da eclosão da crise do café, os fazendeiros cogitaram da criação da Liga Agrícola de Amparo. Um grupo, composto pelo Dr. Vasco de Toledo, Dr. Constâncio Cintra, Dr. Américo Ferreira de Camargo, Afonso Celso de Toledo Franco, Fausto Azevedo, Dr. Virgílio de Araújo, se reuniu para esse fim, mas não chegou a um acordo(25). E nem adiantaria; a crise era tão grave, que não poderia ser vencida por entidades puramente locais ou regionais; seria preciso uma ação decidida do governo federal. E este nada fez…

Em 1931 Fausto Azevedo ainda foi eleito para o cargo de Delegado do Instituto do Café do Estado de São Paulo, junto com Arthur Alves de Godoy e Dr. Francisco de Assis Vasco de Toledo(26).

Foi a última notícia que encontramos dele em nossa pesquisa. Foi possível agora precisar a época do falecimento de Fausto Azevedo, sabendo-se que foi em janeiro de 1933 (27).

 

NOTAS

 

(1) – 7/1/1902 – Sessão de posse da Câmara Municipal, que fora quase toda reeleita, só havendo um novo vereador, Fausto Azevedo. Os demais eram: Balduíno Camires de Arruda Amaral, José Leite de Arruda, Alfredo de Barros, Damião Pastana Jr., Antônio da Silveira Melo, Arthur Alves de Godoy e Josué Emigdio Vasco de Toledo. Dr. José Leite de Arruda é reeleito Presidente da Câmara Municipal de Amparo, por 7 votos; Alfredo de Barros teve um voto. Para Vice-Presidente foram votados Josué Emigdio, 7 votos, e Arthur Godoy, 1 voto. Para Intendente Municipal Balduíno Camires teve 7 votos e Damião Pastana Jr. um voto. (Atas, 13:41)

(2) – 1902 – Fausto de Azevedo, eleito para substituir o Dr. Coriolano Burgos, que renunciou em novembro de 1901. (Almanaque do Amparo, 1902)

(3) – 3/9/1903 – Fausto Azevedo doa remédios para o Hospital Ana Cintra. (OESP)

(4) – 1/11/1903 – Câmara Municipal vai proceder a eleição para preencher as vagas abertas pela renúncia de Arthur Godoy, Josué de Toledo e Fausto Azevedo. (CP)

(5) – 5/5/1904 – tomaram posse do cargo de vereador: Daniel Augusto Machado, José Oscar de Araújo, Felício Granato, e Fausto Azevedo (OESP)

(6) – 12/12/1907 – Resultado das eleições: Candidatos Pedristas – 1º turno: Félix Viana, 171 – Domingos Nunes, 171 – Inácio da Silveira Pupo, 159 – Bernardino Prestes, 165

– 2º turno: José Ricardo de Aguiar, 665 – Fausto Azevedo, 667 – Alonso Dantas Pereira, 666 – Joaquim Bueno Camargo da Silveira, 549 – Joaquim Damião Pastana, 666 – Domingos Vita, 665 – Félix Viana, 666 – Domingos Nunes, 666 – Inácio da Silveira Pupo, 665.

(7)- 20/1/1909 – Fausto Azevedo é eleito vice-presidente da Câmara e faz parte da Comissão de Fazenda.  Inácio Pupo é reeleito presidente da Câmara (CP)

(8) – 4/10/1913 – Fausto Azevedo sorteado para o serviço do júri (CP)

(9) – 1/11/1913 – Fausto Azevedo recebe alguns votos para vereador, embora não fosse candidato (CP)

(10) – 22/10/1915 – Fausto Azevedo serve no júri em Amparo (CP)

(11) – 1/11/1916 – Fausto Azevedo eleito vereador no 1º turno com 127 votos (CP)

(12) – 18/1/1917 – Fausto Azevedo empossado vereador em Amparo (CP)

(13) – 5/11/1917 – Fausto Azevedo comparece aos funerais de João Belarmino Ferreira de Camargo Filho (CP)

(14) – 11/11/1917 – Tenente-coronel Fausto Azevedo, membro da diretoria do Tiro 104 de Amparo. (CP)

(15) – 17/1/1918 – Fausto Azevedo eleito vice-prefeito de Amparo. (OESP)

(16) – 26/1/1918 – Fausto Azevedo, Prefeito Municipal de Amparo. (OESP)

(17) – 9/2/1919 – Coronel Fausto Azevedo e suas filhas Aparecida e Maria Azevedo seguem para Serra Negra. (OESP)

(18) – 6/9/1919  – Fausto Azevedo faz doação para hospital de hansenianos de Campinas (CP)

(19) – 12/1/1920 – Coronel Fausto Azevedo é suplente de vereador em Amparo.(CP)

(20) – 21/6/1921 – Coronel Fausto Azevedo membro da diretoria da Liga Agrícola de Amparo, integrada também pelo coronel Pedro Penteado, major Antônio Carlos de Moraes Bueno, coronel Afonso Celso de Toledo Franco, Manuel Aleixo Alves, Dr. Virgílio de Araújo, coronel Napoleão Poeta de Siqueira, Dr. Vasco de Toledo e Alonso Dantas Pereira (CP)

(21) – 8/8/1922 – Falece Urbano de Azevedo, pai do Coronel Fausto Azevedo. Urbano Azevedo fora vereador em Amparo no final do Império, e vereador em São Paulo no começo do século XX. (CP)

(22) – 19/01/1928 – Amparo – Partido Democrático – Adesões

– Coronel Antonio Junqueira

– Coronel Fausto Azevedo

– Gustavo da Silveira Vasconcellos

– Dr. Coriolano Burgos (DN)

(23) – 10/2/1928 – faleceu D. Sofia Soares de Azevedo, viúva do Coronel Urbano de Azevedo, mãe do Coronel Fausto Azevedo. Era irmã da D. Isolina Soares de Sousa, esposa do Dr. Antônio de Pádua Sales, senador estadual e membro da Comissão Diretora do Partido Republicano. (CP)

(24) – 21/8/1929 – Amparo – Centenário da Cidade – As diversas comissões – Comissão de bailes – composição:

– Dr. Virgílio de Araújo

– Carlos Alves de Godoy

– Arthur Mauro de Arruda

– Fausto Azevedo (CP)

(25) – 28/11/1929 – crise do café – criação da Liga Agrícola de Amparo: Dr. Vasco de Toledo, Dr. Constâncio Cintra, Dr. Américo Ferreira de Camargo, Afonso Celso de Toledo Franco, Fausto Azevedo, Dr. Virgílio de Araújo. (OESP)

(26) – 21/10/1931- “Resultado geral das eleições do Instituto do

Café” – Comarca de Amparo:

– Coronel Fausto Azevedo

– Arthur Alves de Godoy

– Francisco de Assis Vasco de Toledo (OESP)

(27) – O Comércio de 26/1/1933.

(28) – 9/6/1973 – faleceu Dr. Pedro de Azevedo, filho de Fausto Azevedo e d. Josefina de Azevedo (OESP)

 

Comments are closed.