Barreto

Barreto

BARRETO   TRONCO I   I – João Barreto, casado com Francisca de Araújo, moradores de Amparo em 1833, pais de : 1 – Joaquina Maria, casada no Amparo em 1833 com Modesto Moreira, filho de Joaquim Moreira e Josefa Maria;   TRONCO II   II – Inácio Barreto, casado com Custódia Maria, comprou de Manuel Antônio de Godoy, este já falecido em 12/8/1826, terras no bairro Boa Vista, onde mais tarde foi vizinho de Hercules Florence. Inácio e Custódia foram pais de: 1 – Josefa Maria de Jesus, casada no Amparo em 1843 com José Pereira Padilha, filho de Francisco Mendes dos Passos e de Manoela Pereira Padilha; José Pereira Padilha, depois de viúvo de Josefa Maria de Jesus, casou no Amparo em 1848 com Esméria Maria da Anunciação, viúva de Raimundo Corrêa Bueno (CA-2:88v). 2 – Maria Gertrudes, … Continue...
Boucault

Boucault

BOUCAULT   TRONCO I   I – A família Boucault, certamente de origem francesa, surge em Amparo nas últimas décadas do século XIX. Ao que parece, eram irmãos: Eugênio Boucault, José Augusto Boucault e Salvador Boucault. Foram homens ativos, que funcionaram como empreiteiros de várias obras públicas, como o calçamento de ruas, a construção de pontes e a construção de linhas telefônicas. Entre os descendentes desta família está o conhecido historiador Professor Jorge Colli. Por enquanto, só temos dados genealógicos sobre Salvador Boucault, que, ao que tudo indica, dedicou-se a lides agrícolas, pois em 1892 era inspetor da estrada do Bairro dos Silveiras, cargo reservado geralmente a fazendeiros do lugar. Um assento de casamento, em linguagem um tanto estropiada, informa que “Salvador Baucout (sic), de Mogi das Cruzes, filho do Dr. Isidoro Baucout e de Francisca de Paula Baucout”, casou … Continue...
Bueno de Moraes

Bueno de Moraes

BUENO DE MORAES   TRONCO I   I – Félix (ou Fidélis?) Bueno de Moraes, casado com Maria José Domingues, moradores em Amparo já em 1829, foram pais de: 1 – Henrique, batizado em 1831.   TRONCO II   II – Antônio Bueno de Godoy e Ana Bueno de Moraes, gente de Campinas, tiveram: 1 – Ildefonso Bueno de Moraes, natural de Campinas, filho de Antônio Bueno de Godoy e  Ana Bueno de Moraes, que casou no Amparo em 1856 com Maria Francisca de Jesus, filha de  Henrique Joaquim de Oliveira e de Teodora Maria de Jesus (CA-3:60). Ildefonso e Maria tiveram: 1.1 – Antônio Bueno de Moraes, de Serra Negra, filho de Ildefonso Bueno de Moraes e de Maria Bueno de Moraes, casou no Amparo em 1887 com Ana Barbosa da Conceição, filha de Maurício Mendes de Oliveira e … Continue...
Barros Bueno

Barros Bueno

BARROS BUENO   1 – Joaquim da Silva Pereira de Barros, comerciante em Amparo em 1873, estabelecido à Rua do Rosário, 7 com armazém de molhados, louças, ferragens e oficina de carpintaria, foi casado com Benta Maria de Jesus, também conhecida por Benta Maria de Barros. Morou, pelo menos durante algum tempo, em Capivari-MG, onde lhe nasceu o filho Alfredo (CA-1030/31). Em 1869 haviam vendido um terreno na Rua do Cemitério ao Dr. José Pinto Nunes Jr., o qual haviam comprado de Jorge Franco do Amaral (1ºof. 19:189v). Em 1874 o casal vendeu à Loja Maçônica Trabalho, sociedade secreta, um terreno à Rua do Rosário, esquina do Largo da Matriz, onde foi edificada a sede dessa loja (1º of. 30:22). Esse casal teve os filhos: 1 – Alfredo da Silva Pereira de Barros 2 – João 3 – Alexandrina (gêmea … Continue...
Brux

Brux

BRUX 1 – Alfredo Brux, alemão, católico, filho de Alfredo Brux e de Maria Brux, casou no Amparo em 1876 com Catarina Wanecy, alemã, católica, filha de João Wanecy e de Francisca Wanecy, sendo testemunhas do ato José Goschler e Raimundo Andrade (CA-7:25v/26)
Bueno da Mota

Bueno da Mota

BUENO DA MOTA   TRONCO I   I – Joaquim Bueno da Mota, de Bragança, filho de Francisco José da Mota e Maria Gertrudes da Conceição, foi casado em 1833 no Amparo com Ana Gertrudes Franco, também natural de Bragança, filha de Pedro de Lima Bueno e Gertrudes Maria Franco (CA-1:26 – Silva Leme, Genealogia, 3:147). Joaquim e Ana Gertrudes foram pais de: 1 – João, batizado em 1838 no Amparo, sendo padrinhos o Capitão Joaquim de Godoy Silveira e sua mulher Joana de Sousa de Moraes (BA-3:46)
Bastos

Bastos

BASTOS   Emídio Vieira Bastos, casado com Guilhermina Martins Bastos, faleceu em 1947 em Amparo, deixando dois filhos: 1 – Agnelo Bastos, fazendeiro, ex-futebolista famoso, casado com Helena Machado Bastos, filha do Barão Cintra, pais de: 1.1 – Hélio Machado Bastos, casado com Luizete Machado Bastos; 1.2 – Pedro Américo Machado Bastos; 1.3 – José Eduardo Machado Bastos, que foi vice-prefeito de Amparo; casado com Walquiria Tambellini, com geração;; 1.4 – Ruth Machado Bastos; que foi casada com o professor Francisco de Assis; 1.5 – Rita Célia Machado Bastos 2 – Dr. Helvécio Bastos, medico do Hospital Municipal de São Paulo, casado com Alfrida Meira Bastos, pais de: 2.1 – Marina Bastos Magalhães, casada com Paulo Reis Magalhães; 2.2 – Helvécio Bastos Júnior, casado com Maria Paranaguá Bastos.   – Veja também SILVEIRA CINTRA
Branco

Branco

BRANCO   TRONCO   Esta família, originária do Paraná, tem uma breve e pouco conhecida passagem por Amparo no final do século XIX, durante a qual, em 1886, Gertrudes Branco, natural do Paraná, filha dos finados Joaquim Mateus Branco e Silva e Maria das Dores Branco, casou aqui com Antônio Palmieri, natural da Itália, filho de Rafael Palmieri e de Luísa Capelli Palmieri, sendo testemunhas Pedro José Pastana e Inácio Teixeira. Ao que tudo indica, a noiva viera para cá em companhia da irmã Messia Branco Teixeira, casada com o coronel Inácio Teixeira. Ao pesquisar a descendência de Rafael Palmieri, um dos pioneiros da hotelaria em Amparo, encontramos minuciosa informação sobre a família de sua nora Gertrudes Branco, da qual alguns membros residiram no Amparo. Um Dias Branco discursou na Câmara de Amparo em memorável sessão sobre a questão Christie, … Continue...
Bueno de Oliveira

Bueno de Oliveira

BUENO DE OLIVEIRA   TRONCO I   I – Bibiano Domingues de Oliveira, casado em primeiras núpcias com Maria Gertrudes de Oliveira (SL, 8:292, 7-8), oriundos de Bragança, e em segundas núpcias com Rosa Pires do Prado, viúva de Antônio Lourenço do Prado. Bibiano e suas esposas foram moradores do Amparo e de Atibaia. Bibiano e Maria Gertrudes tiveram: 1 – José Bueno de Oliveira, casado no Amparo em 1824 com sua parente Delfina Maria de Jesus, de Bragança, filha de Manuel Bueno de Oliveira e de Josefa de Oliveira. Foram pais de: 1.1 – José, batizado no Amparo em 1835. 1.2 – Luís Bueno de Oliveira, batizado no Amparo em 1839, casou em 1863 com sua parente Ana Bueno do Amaral, filha de Francisco Bueno do Amaral e de Manuela Alves de Oliveira;. 1.3 – João Bueno de Oliveira, … Continue...
Bastos Coelho

Bastos Coelho

BASTOS COELHO   TRONCO   I – Manuel de Bastos Coelho, amparense, filho de Clemência Maria de Jesus, casou no Amparo em 1873 com Josefa Maria Francisca, de Nazaré, filha de Marinha Maria de Jesus. (CA-6:67v) Manuel de Bastos Coelho possuia em 1856 um sítio de 60 alqueires no bairro da Ponte, na margem do Rio Jaguari, divisando com José Bueno de Aguiar, Joaquim Pires do Prado e outros, havido por compra a Gertrudes Maria e outros. (RPT, 54) Manuel de Bastos Coelho teve uma filha: 1 – Justina Maria de Jesus, que foi casada com José Cardoso de Oliveira. Justina recebeu em doação de seu pai um sítio no bairro da Várzea, com 15 alqueires, confrontando com “a estrada que vai para o Amparo”, e com Manuel Benito de    Moraes, Joaquim Pires do Prado e João de Godoy … Continue...