Bueno de Aguiar

Bueno de Aguiar

BUENO DE AGUIAR   O Capitão Paulino Bueno de Aguiar, filho de Ana Miquelina Dultra e de Lourenço Antônio, foi casado com Idalina Carolina de Brito, viúva de Eduardo Alves de Moura, filha de João Alves Cardoso. Tiveram, segundo Silva Leme, 1:495/496, os filhos: 1 – Ana Aguiar, casada com seu primo Manuel Bueno de Aguiar. 2 – Maria, casada com Emílio Moreira Lima, filho de Manuel Moreira Lima e Constança Alves. Emílio, ou Emígdio, vendeu em 1890 terras no sítio Paiol Queimado, no Bairro das Onças, a João Lopes de Faria, morador de Bragança (1ºof.92:7) 3 – Leopoldina Bueno de Aguiar, casada com o Tenente-Coronel João Evangelista Gonzaga Leme, filho do Coronel Luís Manuel da Silva Leme e de Carolina Eufrásia de Moraes Leme. Este casal, morador de Bragança, permutou em 1890 terras “no sítio Paiol Queimado, que foi … Continue...
Bolsonaro

Bolsonaro

BOLSONARO   TRONCO I Os bisavós de Jair Bolsonaro: Lado materno, que tem ascendência 100% italiana, reunindo sobrenomes Bonturi, Pardin, Lenzi, Vannucci, Cavalletti e Andreini e seu bisavô alemão Sr. Carl Hintze. Lado paterno, Vittorio Bolzonaro, depois conhecido como João Bolsonaro, nasceu em 12 de abril de 1878 na pequena comuna de Anguillara Veneta, e Filomena Lodia D’Agostini, conhecida como Lucia D’Agostini. Vittorio “João” Bolzonaro e Lucia D’Agostini casaram-se em Pedreira em 16 de julho de 1904. Ambos emigraram de pequenas vilas que distam menos de 40 quilômetros uma da outra para se encontrar e se casar no interior de São Paulo, a quase 10 mil quilômetros de distância da terra natal”. Vittorio “João” Bolzonaro, chegou ao Brasil em 25 de maio de 1888 com os pais Angelo Bolzonaro e Francesca Remo e com os irmãos Regina Giovanna e Tranquillo. Lucia D’Agostini chegou ao Brasil seis meses depois, … Continue...
Barbosa Dias

Barbosa Dias

BARBOSA DIAS   TRONCO I   1 – João Barbosa Dias, “administrador do Capitão Joaquim de Sousa Freire” constando de sua casa vinte e sete pessoas, era casado com Ana Bueno de Toledo (ou Ana Angélica de Toledo). Ambos já eram falecidos em 1843 (João já era viúvo em 1840), e foram pais de: 1.1 – Isabel Pires Monteiro, natural de Mogi Mirim, casada no Amparo em 1836 com João Pinto de Lima, filho de Antônio de Lima do Prado e Inácia Bueno, também de Mogi Mirim: 1.2 – Gertrudes Maria Bueno, casada no Amparo em 1840 com Lourenço Pinto Guedes, filho de Victorino do Prado e de Jacinta Bueno; foram pais de: 1.2.1 – Justina, batizada em 1841. 1.3 – Maria Joaquina do Espírito Santo, amparense, batizada em 1830, casada em 1843 com Crispim Pinto de Lima, filho de … Continue...
Bittencourt / Taques

Bittencourt / Taques

BITTENCOURT / TAQUES   –    A família Taques é de origem holandesa, mas remonta aos primeiros tempos da colonização, pois já estava no Brasil na segunda metade do século XVI. Já os Bittencourt passaram da França para Portugal e dali para as ilhas portuguesas do Atlântico. As façanhas náuticas de Colombo, Vasco da Gama e Cabral, permitiram que o sangue dessas estirpes estivesse reunido no Amparo no final do século XIX. (Se não fossem as grandes navegações o máximo que um índio Guarulho, primitivo habitante de Amparo, poderia fazer era casar com uma Caiapó de Mogi Mirim ou com uma Tupiniquim de São Paulo). O grande genealogista Pedro Taques de Almeida Paes Leme, descendente em linha reta dos primeiros Taques brasileiros, casou três vezes: a primeira em 1745 em São Paulo com Maria Eufrásia da Costa Lomba, a segunda … Continue...
Bueno do Amaral

Bueno do Amaral

BUENO DO AMARAL   TRONCO  I (corrigir o casamento do tronco – Manuela era realmente filha de Daniel Domingues dos Passos)   I – Francisco Bueno do Amaral, natural de Atibaia, filho de Manuel Domingues de Alvarenga e de Ana Joaquina Cardoso, foi casado com Manoela Alves de Oliveira, filha do Sargento João Leme da Silva e de sua segunda mulher Escolástica Maria de Oliveira (F.B. do Amaral e sua mulher estão mencionados em Silva Leme, 1:108, onde Manuela é dada como filha de Daniel Domingues dos Passos e de Escolástica Maria, esta antes viúva do Sargento João Leme do Prado – Silva Leme corrigiu isso no vol. 8:84) foram pais de: 1 – Malaquias Bueno de Oliveira, batizado em 1834 (BA-2:42v) filho de Francisco Bueno do Amaral e de Manuela Alves  de Oliveira Leme,  casado com Eufrásia Francisca de … Continue...
Barata

Barata

BARATA   I – O Dr. Domingos Gonçalves Barata, médico baiano, foi casado com Elvira de Sousa Pena, nascida em 1878 e falecida em 1932, filha de Virgínio Ramos Ortiz e Maria da Glória Pena. Foram pais de: 1 – Aníbal, falecido na infância; 2 – Florival, falecido na infância; 3 – Querubim Barata, tabelião em São Paulo, nascido em 1903, casado com Marina Pastana, filha de Joaquim Pastana e Maria do Carmo Pastana. Querubim combateu na Revolução Constitucionalista de 1932 no setor de Cunha. Foram pais de: 3.1 – Maria José Barata; 3.2 – Rui Barbosa Barata; 3.3 – Vicente de Paulo Barata; 3.4 – João Ramalho Barata, engenheiro aeronáutico, casado.  
Blumer

Blumer

BLUMER   1 – Veja PLUMER.
Bueno de Camargo

Bueno de Camargo

BUENO DE CAMARGO   TRONCO I   I – Pedro Bueno de Camargo (usava também o nome de Pedro Bueno de Oliveira), natural de Bragança, falecido por volta de 1857, e sua mulher Antônia Maria da Silveira Franco, de Atibaia (SL, 1:110), moradores de Amparo e de Campinas, foram pais de: 1 – Carolina Cândida de Camargo, casada no Amparo em 1846 com seu parente Joaquim Antônio de Godoy, natural de Bragança, filho de Vicente Bueno de Godoy e de Maria da Silveira Franco. Em 1867 Joaquim Antônio já era falecido, pois Carolina Cândida se casou com seu primo João Francisco da Silveira, filho de Jacinto da Silveira Franco e Cândida Eliza Moreira. Em 2/4/1857 Carolina e Joaquim venderam a Antônio Bueno de Camargo Silveira a parte que lhes tocava no inventário de seu pai e sogro Pedro Bueno de … Continue...
Barbosa Preto

Barbosa Preto

BARBOSA PRETO   TRONCO I   I – Maria Caetana Cardoso (falecida no Amparo em 1831, aos 50 anos de idade), casada com Manoel Barbosa Preto, provavelmente bragantinos, pais de: 1 – Catarina Maria Cardoso, natural de Bragança, casada em 1832 no Amparo com Bento Manuel Bueno, viúvo de Ana Maria; Catarina, porém, faleceu logo depois em 1833, aos 18 anos. (OA-2:8v) 2 – Pedro, batizado no Amparo em 1830 (na dúvida, devido aos nomes incompletos). 3 – Delfina Maria Cardoso, natural de Mogi Mirim, casou no Amparo em 1836 com Francisco Antônio de Oliveira, viúvo de Ana Maria. 4 – José Barbosa Preto, casado em 1855 no Amparo com Maria de Oliveira, filha de João de Oliveira e de Josefa Domingues. Maria Domingues de Oliveira, como também era chamada, casou em 1861, já viúva, com José Antônio Cardoso, viúvo … Continue...
Boaventura

Boaventura

BOAVENTURA   TRONCO I   I – Jacinto Félix da Boaventura, já falecido em 1859, foi casado com Ana Joaquina, casal que talvez fosse oriundo de Juqueri. Já moravam em Amparo em 1829, numa casa distante légua e meia da capela, onde residiam quatro pessoas. Foram pais de: 1 – Delfina Eufrosina da Glória, batizada em 1834 no Amparo, casada em 1859 com Manuel dos Santos de Oliveira Cardoso, filho de Manuel Joaquim Pereira e de Angélica Maria de Jesus; 2 – Bento Antônio da Silva, batizado em 1837; casou em 1859 com Teodora Barbosa de Jesus, filha de Antônio Lopes da Silva e Ana Marcelina Barbosa, de   Campinas; 3 – Policena, batizada em 1839.   TRONCO  II   I –  Joaquim Félix da Boaventura e sua mulher Beatriz Barbosa eram moradores de Mogi Mirim. Beatriz Barbosa possuia em 1818 … Continue...