Nunes de Brito

Nunes de Brito

NUNES DE BRITO   TRONCO  I   I –  Inácia Nunes de Brito, teve, de pai incógnito: 1 – Joana Maria do Espírito Santo, natural de Bragança, que  casou no Amparo em 1846 com Jacinto Martins de Siqueira, viúvo de Ana Lopes.
Nunes Evangelista

Nunes Evangelista

NUNES EVANGELISTA   TRONCO I   I – João Nunes Evangelista e Antônia Gertrudes (ou Antônia Maria) da Conceição, casal vindo da cidade de Rezende, da Província do Rio de Janeiro, para Serra Negra, teve: 1 – Rita Maria do Rosário, de Rezende-RJ, que casou no Amparo em 1869 com Antônio Rodrigues Cardoso, de Santa Isabel, filho de pais incógnitos. Antônio Rodrigues Cardoso, viúvo de Rita Maria da Conceição, casou no Amparo em 1869 com sua cunhada Maria Eleutéria Nunes, de Serra Negra, filha de João Nunes Evangelista e Antônia Maria da Conceição. (CA-6:3) 2 – Maria Eleutéria Nunes, casada em 1869 com seu cunhado Antônio Rodrigues Cardoso, viúvo de Rita Maria do Rosário.
Nunes Pinheiro

Nunes Pinheiro

NUNES PINHEIRO        TRONCO I   I – Antônio Nunes Pinheiro, natural de Cambuí-MG, filho de João Paulo Lopes e Maria Francisca, casado em 1842 no Amparo com Ana Francisca de Oliveira, bragantina, filha de João Pedro de Oliveira e Ana Cristina de Oliveira.  Pais de: 1- Joaquina Francisca de Jesus, batizada em 1843, que casou no Amparo em 1866 com João Moreira César, de Bragança, filho de Custódio Moreira César e de Maria Francisca de Jesus (BA-4:33v – CA-5:96); 2 – Ana Cristina de Oliveira, filha de Antônio Nunes Pinheiro e Ana Francisca de Oliveira casou no Amparo em 1867 com Antônio Pereira Machado, filho de Teodora Maria de Almeida. (CA-5:121v) 3 – Maria Flávia Teresa de Oliveira, amparense, filha de Antônio Nunes Pinheiro e de Maria Joaquina de Jesus, casou no Amparo em 1869 com José Gomes … Continue...
Nunes de Pontes

Nunes de Pontes

NUNES DE PONTES   TRONCO I   I – Pedro Nunes de Pontes faleceu em 1829, aos 50 anos, deixando viúva Maria Clara de Siqueira. Foi o primeiro óbito registrado na Capela do Amparo. Não encontramos até agora nenhum descendente desse casal.
Nunes da Silva

Nunes da Silva

NUNES DA SILVA   TRONCO I I –  Joaquim Nunes da Silva possuia um terreno no rocio do vilarejo de Amparo em 1818. Nenhum outro representante dessa família foi ainda encontrado.   TRONCO II II – Teodoro Nunes da Silva e Caetana Gomes eram um casal morador em Itatiba. Em 1878 Teodoro Nunes da Silva, já viúvo de Caetana Gomes, sepultada em Itatiba, casou no Amparo com Zaurinda Mariana das Dores, filha de Teófilo Martins da Silva e de Mariana das Dores, sendo testemunhas do ato Jorge Franco do Amaral e Pedro da Rocha Camargo (CA-7:47v/48). Teodoro e Caetana tiveram q.d.: 1 – Francisco Benedito, natural de Campo Largo, filho de Benedita Maria de Jesus, casou no Amparo em 1876 com Maria Nunes, filha de Teodoro Nunes e de Caetana Gomes, sendo testemunhas Jorge Franco do Amaral e Manuel Pereira … Continue...
Nunes da Silveira

Nunes da Silveira

NUNES DA SILVEIRA        TRONCO I   I – Joana Nunes da Silveira faleceu em Amparo em 1831, deixando viúvo Pedro Rodrigues dos “Santos”. Pedro Rodrigues de Sousa, viúvo por óbito de Joana Nunes da Silveira, falecida no Amparo em 1831, aos 55 anos de idade, casou em segundas núpcias no Amparo em 1832 com Gertrudes Maria da Cunha, viúva por óbito de Inácio Mariano Corrêa.
Nascimento

Nascimento

NASCIMENTO    TRONCO I – Florêncio José do Nascimento foi casado com Verônica Maria do Espírito Santo, filha de João Manuel Teles, de Mogi-Guaçu, e de Gertrudes Maria Franco (ou Gertrudes Franco de Moraes), neta paterna de Simão Teles Barreto, do Rio de Janeiro, e de Catarina Martins, de Mogi das Cruzes, neta materna de José Rodrigues de Moraes e de Maria Franco da Silva (SL, 2:158 e 5:351). Florêncio e Verônica foram pais de: 1 – João José do Nascimento, de Serra Negra, filho de Florêncio José do Nascimento e de Verônica Maria do Espírito Santo, casou no Amparo em 1867 com Maria Joaquina de Jesus, filha de Generoso Mendes do Amaral, já falecido, e de                 Gertrudes Maria Carolina. (CA-5:119v)   TRONCO II II – João Pedro do Nascimento e Carolina Malvina de Abreu Sampaio, pais de: 1 … Continue...
Nunes de Siqueira

Nunes de Siqueira

NUNES DE SIQUEIRA   TRONCO I   Antônio Nunes de Siqueira é indubitavelmente o mais antigo portador desse sobrenome a deixar descendentes no Amparo. As dúvidas que existem são relativas ao nome de sua mulher, que ora era grafado como Antônia de Moraes, ora como Maria Antônia de Moraes, ou ainda como Maria Antônia de Menezes. Entendemos que se trata de uma só pessoa, dada a extrema volatilidade dos nomes femininos naquela época. Assim Antônio Nunes de Siqueira e sua mulher Antônia (comum a todas as versões em que foi grafado) tiveram: 1 – Antônio Nunes Soares, natural de Bragança, que se casou em Mogi Mirim em 1820 com Maria Neri do Espírito Santo, nascida em Mogi Mirim, filha de José Lopes de Sousa e de Genoveva Cardoso: 2 – José Antônio de Oliveira, que se casou em Serra Negra … Continue...
Nascimento Ferreira

Nascimento Ferreira

NASCIMENTO FERREIRA   TRONCO I I – Marcelino do Nascimento Ferreira, viúvo de Leopoldina Maria da Conceição, casou no Amparo em 1882 com Miquelina Bueno da Silva, filha do falecido Joaquim Bueno da Silva e de Rosa Maria de Jesus, sendo testemunhas Joaquim Rodrigues de Paula Cruz e João Pedro de Godoy Moreira (CA-10:21) Marcelino e Leopoldina tiveram: 1 – Maria Leopoldina do Nascimento, filha de Marcelino do Nascimento e de Leopoldina Maria, casou no Amparo em 1885 com Antônio Emídio de Almeida, filho de Vicente José do Sacramento e de Leopoldina Carolina de Almeida, sendo testemunhas Bento de Godoy Moreira e Joaquim Rodrigues de Paula Cruz (CA-11:27v)
Nery

Nery

NERY   TRONCO I I – Francisco de Paula Nery, que morava em Serra Negra em 1829, casado com Joana Rosa de Sousa, transferiu-se depois para o Amparo. (Há um outro Francisco de Paula Neri, casado com Maria de Godoy Bueno, cujo filho José de Godoy Bueno casou no Amparo em 1831 com Ana Gertrudes do Espírito Santo. Talvez  este seja filho de um primeiro casamento do mesmo Francisco de Paula Neri, mas pode ser um caso de homonimia. Há também um Francisco de Paula Nery, casado com Maria Francisca, que hipotecou um sítio no Córrego Vermelho em 1866 a José Lopes de Lima, morador de Bragança – 1ºof.14:7v – Enfim, podem todos ser um só…). Francisco de Paula e Joana tiveram: 1 – José, batizado no Amparo em 1832. 2 – Claudiana de Jesus, casada em 1834 em Serra … Continue...